terça-feira, 16 de setembro de 2014

Você é procrastinador ou precrastinador?

00:10

  • SIGA

  • PARTILHE |

Você é procrastinador ou precrastinador?
Como sabe, o mercado de trabalho está a abarrotar de procrastinadores confessos, profissionais que não escondem o seu vício em adiar tarefas difíceis ou desinteressantes.

O termo, cunhado por pesquisadores norte-americanos, designa o indivíduo que realiza diversas pequenas tarefas enquanto evita as mais complexas.

Se você é um precrastinador, qualquer atividade torna-se prioritária diante daquele longo e difícil relatório que o seu chefe lhe pediu.

Por outro lado, se você antecipa trabalhos, sendo um "precrastinador", você pode não ser capaz de reconhecer a sua própria falta de produtividade.

O perfil do precrastinador é bem menos conhecido do que o do procrastinador, tendo sido descrito pela primeira vez pela equipa do pesquisador David Rosenbaum, da Universidade Estadual da Pensilvânia.

O tipo psicológico foi identificado através de uma experiência científica, em que os participantes precisavam escolher entre dois pesados baldes de água para carregar. Um ficava próximo do ponto de partida e o outro próximo do ponto de chegada.

Havia duas instruções: primeiro, eleger um balde; depois levá-lo até ao pesquisador. Para grande surpresa dos académicos, a maioria escolhia o balde mais perto de si, ainda que precisasse de se esforçar mais para carregar o seu peso até ao fim da linha.

O estranho comportamento foi interpretado como uma forma de se aliviar rapidamente da “tarefa” mental de escolher um dos baldes - ainda que essa opção consumisse mais energia física. A postura do precrastinador diante dos baldes de Rosenbaum pode ser transposta para o universo do trabalho.

Seguindo uma estratégia de fuga, o precrastinador gasta energia excessiva em tarefas irrelevantes, apenas pelo prazer psicológico de eliminar as pendências. “Resolver algo rapidamente elimina o stress”, explica Piers Steel, da Universidade de Calgary, no Canadá.

Steel diz que esse comportamento pode ter consequências danosas para o desempenho no trabalho. “Quanto mais deixamos essas tarefas menores preencherem as nossas vidas, mais difícil é manter o foco nos objetivos mais importantes”, afirma o psicólogo.

Mesmo assim, Steel garante que o precrastinador ainda está numa situação menos grave do que o seu oposto, o procrastinador. Enquanto o segundo deixa o trabalho para depois, o primeiro cumpre tarefas - ainda que menores - imediatamente. [info]

0 comentários:

Enviar um comentário

 

© 2013 DailyNegócios - Notícias sobre negócios e empreendedorismo. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top