sexta-feira, 1 de agosto de 2014

4 erros que os jovens cometem a planear a carreira

15:59

  • SIGA

  • PARTILHE |

4 erros que os jovens cometem a planear a carreira
Os jovens querem ser gerentes ou diretores, segundo uma pesquisa do site de empregos InfoJobs, que mostra que esta é a aspiração de 72% de 2 mil jovens entre 18 e 24 anos entrevistados.

De igual forma, 56% destes jovens, interessados em ascensão profissional, valorizam o plano de carreira oferecido pela empresa na hora de analisar uma proposta de emprego.

Assim, fica claro que o desenvolvimento desponta com uma das principais preocupações de quem se prepara para dar os primeiros passos no ambiente profissional.

Assim, neste contexto, o planeamento de carreira é uma atitude fundamental. A Exame.com elaborou uma lista com os principais erros que os jovens geralmente cometem na hora de pensar e planear o seu futuro profissional.

1. Deixar de lado afinidades, habilidades e competências


Afinidades e talentos devem ser o ponto de partida de quem traça um plano de carreira. É preciso saber o seu potencial para planear a carreira e não reconhecer as suas habilidades prejudica este planeamento.

Deixar de identificar os seus pontos fortes é tão errado quanto não levar em conta as competências que ainda devem ser desenvolvidas.

2. Não ter foco e objetivo claros


Parte importante do plano de carreira são as competências que devem ser desenvolvidas para o futuro. Em grande parte das vezes, estas habilidades ainda não são requeridas no dia a dia, mas serão dentro de alguns anos.

No entanto, o desenvolvimento do que será usado no futuro só faz sentido quando há, de fato, um projeto para longo prazo. E aí que entram em cena as metas de carreira: é preciso ter em mente aonde se quer chegar.

3. Deixar o planeamento a cargo da empresa ou do mentor


Transferir a responsabilidade do planeamento de carreira ao mentor ou à empresa é outro erro grave. O mentor tem o papel de orientar, de auxiliar nas escolhas, mas não é função dele traçar, de fato, o plano.

4. Não se atualizar, nem fazer ajustes no plano


O plano não é algo que deva ser estanque, como também não deve ser a carreira. O planeamento ideal deve ser dinâmico, levando em conta as tendências de mercado e sofrendo ajustes ao longo da trajetória profissional.

O ideal deverá ser pensá-lo em três dimensões temporais distintas, nomeadamente curto, médio e longo prazo. No curto prazo estão os próximos 12 meses da vida profissional. O período de 2 a 5 anos deverá ser definido como prazo médio e acima de cinco anos é o longo prazo. [Info]

0 comentários:

Enviar um comentário

 

© 2013 DailyNegócios - Notícias sobre negócios e empreendedorismo. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top