quinta-feira, 31 de julho de 2014

6 poderosos efeitos psicológicos no mundo do trabalho

15:20

  • SIGA

  • PARTILHE |

6 poderosos efeitos psicológicos no mundo do trabalho
Compreender a psicologia por trás da maneira como o nosso cérebro funciona pode ajudar-nos a ter uma melhor visão de como trabalhamos.

Muitos estudos e muita pesquisa tem sido investida na explicação das nossas ações e interações quotidianas e os resultados são reveladores.

Se você estiver procurando por uma maneira de turbinar o seu desenvolvimento pessoal, a compreensão da psicologia por trás das nossas ações é um primeiro passo essencial.

Felizmente, saber é apenas metade. Quando você percebe todas as muitas maneiras pelas quais as nossas mentes criam percepções, pesam decisões, e operam inconscientemente, você pode ver as vantagens psicológicas a tomar forma.

É como um passe para os bastidores da nossa forma de trabalhar, e estando nos bastidores, você tem uma compreensão ainda maior do que é preciso para ter sucesso. Os seguintes 6 fatos psicológicos podem ser vistos como um guia para o auto-aperfeiçoamento.

O Efeito Pratfall - Sua simpatia vai aumentar se você não for perfeito


Não se preocupe com tropeçar e cair na frente das pessoas. Isso só vai fazer com que as pessoas gostem mais de si. Vá em frente e admita as suas falhas para os seus amigos; a sua humanidade vai cair-lhes muito bem.

Estes erros atraem charme, como resultado do efeito Pratfall: Aqueles que nunca cometem erros são percebidos como menos simpático do que aqueles que cometem erros ocasionais. Errar atrai as pessoas para perto de si, fazendo-o mais humano.

A perfeição cria distância e um ar atraente de invencibilidade. Aqueles de nós com falhas vencem o tempo todo. Esta teoria foi testada pelo psicólogo Elliot Aronson. No seu teste, ele pediu aos participantes para ouvir gravações de pessoas respondendo a um questionário.

As gravações seleccionadas incluíam o som da pessoa derrubando uma xícara de café. Quando os participantes foram convidados a avaliar as pessoas na simpatia, o grupo que derramava café saiu por cima.

O Efeito Pigmaleão - expectativas maiores geram maior desempenho


O cerne desse fenômeno psicológico é o conceito da profecia auto-realizável: Se você acredita que algo é verdadeiro em si mesmo, eventualmente, ele será. O primeiro teste do Efeito Pigmaleão foi realizado pelo psicólogo Robert Rosenthal e ocorreu em uma sala de aula do ensino fundamental.

Participaram alunos do primeiro e segundo grau. No início do ano, todos os estudantes realizaram um teste de avaliação e Rosenthal levou os professores a acreditar que alguns alunos eram capazes de grandes realizações académicas.

Rosenthal escolheu esses alunos ao acaso, independentemente dos resultados reais dos testes de QI. No final do ano, quando os alunos foram novamente testados, o grupo de crianças que ele tinha dito serem mais capazes, de fato, mostrou melhorias sobre os seus pares.

Por que isso aconteceu? Testes posteriores concluíram que os professores inconscientemente deram maiores oportunidades, atenção e feedback ao grupo especial. As suas expectativas para este grupo foram maiores, e as expectativas criaram a realidade. 

As aplicações do Efeito Pigmaleão podem ter benefícios pessoais e na liderança. Individualmente, você pode desafiar-se com objetivos mais difíceis num esforço para enfrentar o desafio. Como líder, você verá melhores desempenhos da sua equipa quando você espera grandes coisas.

O Paradoxo da Escolha - mais escolhas pioram decisão


Quanto mais opções temos, menos provável é ficarmos contentes com a nossa decisão. Mesmo que a nossa decisão final seja claramente correta, quando confrontados com muitas escolhas, somos menos propensos a ser felizes com o que escolhemos.

Para provar esse paradoxo, os psicólogos Mark Lepper e Sheena Iyengar conduziram uma experiência num supermercado. Numa loja de comida gourmet, Lepper e Iyengar configuraram uma exibição de doces de alta qualidade e amostras gustativas.

Num teste, eles ofereceram seis variedades, noutro ofereceram 24. Os resultados do estudo mostraram que 30 por cento das pessoas expostas à seleção menor acabou por comprar um pote de geléia. Apenas 3 por cento das pessoas expostas à maior seleção compraram a geléia.

O efeito espectador - mais pessoas ajudam menos


Quanto mais pessoas vêem alguém em necessidade, menos provável é a pessoa receber ajuda. A parábola do Bom Samaritano ilustra este efeito claramente. Os pesquisadores chamam "confusão de responsabilidades", onde as pessoas sentem menos responsabilidade quando outros estão perto.

Na verdade, a probabilidade de ajuda é inversamente relacionada com o número de pessoas presentes. Se você está a precisar de assistência, não vá procurá-la no meio da multidão. O efeito espectador foi mostrado num estudo realizado pelos psicólogos sociais Bibb Latané e John Darley.

Eles observaram que os alunos respondiam à asfixia percebido de um colega num cubículo perto. Quando os sujeitos achavam que eram a única pessoa lá, 85 por cento correram para ajudar. Quando sentiam que havia outra pessoa, 65 por cento ajudou.

Quando sentiam que havia outras quatro pessoas, o percentual caiu para 31 por cento. Você pode ter experimentado o efeito espectador num projeto de grupo na escola. Há muitas vezes um membro do grupo que adia prazos e atribuições por causa da responsabilidade difusa.

O Efeito Holofote - os seus erros não são tão notados com você pensa


A percepção de estarmos sob constante escrutínio está apenas nas nossas mentes e a insegurança que sentimos quando cometemos um erro não reflecte verdadeiramente a realidade. De acordo com o Efeito Holofote, as pessoas não estão a prestar atenção aos nossos fracasso como pensamos.

Para testar o efeito, uma equipa de psicólogos da Universidade de Cornell pediu a um grupo de cobaias para usar uma T-shirt embaraçosa e estimasse quantas pessoas percebiam o que estavam vestindo. As estimativas dos sujeitos de teste eram duas vezes maiores que o número real. 

Você está sob os holofotes menos frequentemente do que pensa. Reconhecer isso deve levar a uma maior confortabilidade e relaxamento em ambientes públicos e a mais liberdade para ser você mesmo.

O efeito de foco - pessoas enfatizam apenas um aspecto de algo


Quão grande é a diferença de clima entre alguém que ganha salário alto e alguém que ganha menos? A diferença existe, mas é um terço menos significativa do que a maioria das pessoas espera. Isso ilustra o efeito de foco.

No exemplo de rendimento, o fator rendimento, no que se refere ao humor, ofusca as outras circunstâncias inumeráveis ​​em jogo. Quão mais feliz é uma californiana do que uma midwesterner? Quando os psicólogos colocaram esta questão aos moradores de ambas as áreas, a resposta de cada grupo foi a de que os californianos devem ser consideravelmente mais felizes.

A verdade é que não houve diferença entre a classificação de felicidade real de californianos e 
midwesterners. Os entrevistados focaram o tempo ensolarado na Califórnia e o estilo de vida simples como os fatores predominantes na felicidade.

Masn, na na verdade, há muitos outros aspectos menos divulgados de felicidade que os midwesterners desfrutam, nomeadamente a baixa criminalidade, a segurança de terremotos e outros perigos.

Os profissionais de marketing usam este efeito (também chamada de ilusão de foco) sobre os consumidores, convencendo-os das características necessárias de um produto ou serviço. Os políticos, também, usam isso ao exagerar a importância de questões específicas. [Entrepreneur]

0 comentários:

Enviar um comentário

 

© 2013 DailyNegócios - Notícias sobre negócios e empreendedorismo. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top